quarta-feira, 8 de março de 2017

Dica de Saúde: alergias

A coluna Dica de Saúde deste mês de março traz informações sobre as alergias, já que a primavera está quase chegando. O texto é da farmacêutica-estagiária Marisa Castro, da Farmácia São João. 

As alergias são cada vez mais frequentes e, em casos mais graves, podem levar a quadros clínicos de difícil resolução. Estima-se que mais de 2 milhões de residentes em Portugal apresentem alguma forma de alergia. Mas o que é a alergia? 

É uma reação anormal e exagerada do organismo quando em contacto com certas substâncias provenientes do exterior, denominadas alergênios, a que normalmente a maioria das pessoas não reagem. Alguns exemplos de alergênios são os ácaros, pólen, fungos, insetos, pelos de animais, alimentos e medicamentos. As alergias podem ser respiratórias (asma ou rinite alérgica) ou dermatológicas (dermatite atópica, dermatite de contato, urticária). Os sintomas mais comuns são conjuntivite, manchas na pele com comichão associada, fluxo nasal abundante, inchaço ou mesmo falta de ar nos casos mais graves. 

A base para se ter alergia é a hereditariedade, ninguém nasce alérgico. As alergias só são desencadeadas depois da exposição a fatores ambientais. Por isso, pode manifestar-se em qualquer idade, comprometendo de forma significativa a qualidade de vida. O seu diagnóstico tem como base a história clínica da pessoa, sendo em alguns casos útil a realização de exames cutâneos ou análises ao sangue. 

Evitar a exposição aos alergênios que desencadeiam a reação alérgica é a melhor forma de prevenção, sendo importante saber os antecedentes familiares de alergia e quais os fatores que desencadeiam os sintomas. Assim, se estivermos perante um doente alérgico a pólen, por exemplo, aconselha-se evitar andar ao ar livre nos dias de maior polinização ou dias de muito vento, aspirar a casa pelo menos uma vez por semana e manter as janelas fechadas durante as horas de sol e à noite (pois é durante a madrugada que a quantidade de pólen no ar é maior), proteger os olhos do contato direto com o ar com a utilização de óculos. 

Para alergias aos ácaros, uma vez que estes se reproduzem melhor a temperaturas superiores a 24°C e com umidade, algumas medidas a considerar são: ventilar bem a casa e mantê-la seca e a uma temperatura baixa, evitar a acumulação de pó limpando com panos úmidos, evitar animais em casa, trocar frequentemente os lençóis e pijamas. 

Se a alergia for a determinados animais, é importante evitar que estejam dentro de casa, lavá-los pelo menos uma ou duas vezes por semana e lavar as mãos depois de lhes tocar. É importante não esquecer que mesmo depois de o animal sair da habitação, os tapetes e móveis podem reter durante vários meses o alergênio. 

Relativamente a alimentos, é importante saber todos os ingredientes da refeição a fazer, de modo a evitar ingerir o ingrediente/alimento ao qual se é alérgico. 

O tratamento pode ser:

- meramente sintomático (os medicamentos aliviam os sintomas, mas não farão desaparecer a causa da sua doença, como, por exemplo, os anti-histamínicos que podem controlar sintomas dermatológicos, conjuntivite ou rinite ou os broncodilatadores para tratamento de asma), 

- preventivo (como anti-inflamatórios que combatem a inflamação alérgica e evitam o aparecimento de sintomas), 

- imunoterapia (vacinas anti-alérgicas) que é um tratamento específico, dirigido ao alergénio implicado, com uma grande eficácia, em que a pessoa é exposta gradualmente a quantidades cada vez maiores do alergênio, com o objetivo de diminuir ou mesmo eliminar a sua sensibilidade a este. 

É importante que NUNCA se automedique. Qualquer sintoma referido, consulte o seu farmacêutico. Na farmácia poderá ser esclarecido sobre quais os medicamentos não sujeitos a receita médica que melhor o ajudarão no tratamento de sintomas. A Farmácia São João está localizada na rua Marquês de Ávila e Bolama, 342. O telefone para contato é 275 323 699.

Nenhum comentário:

Postar um comentário